Seguidores

:: LINK-ME ::


17 de mai de 2010

MEDO E PÂNICO


O medo rouba a liberdade de viver

prazerosa e vitoriosamente. Ele

destrói a vida e nos abate diante

das circunstâncias que se apresentam

em nosso dia-a-dia. Somente em Cristo

podemos nos libertar totalmente do

"espírito do medo e pânico" e vivendo

a plenitude da vida que foi conquistada

por Cristo Jesus. Tome coragem, e, pela

fé, definitivamente repreenda todo o

pânico e medo de sua vida. Seja

feliz em Cristo.

APÊLO QUE SALVA

Um homem estava preocupado em fazer um quarto a prova de som, já que ele tinha problemas com o filho que tocava uma bateria e ninguém agüentava a intensidade do barulho nas horas dos ensaios.

Contratou uma equipe para fazer a experiência de um quarto no fundo do quintal que fosse a prova de barulho.
Com o quarto quase pronto o homem pediu para que fosse feita uma experiência. Atendendo a solicitação o construtor pediu para um de seus empregados que lá estavam trabalhando que entrasse naquele cômodo e gritasse qualquer coisa, com toda a força que era capaz.
O empregado entrou no tal cômodo sem saber o que fazer.
- Vou gritar o que?
Ficou alguns segundos pensativo. Não tinha a menor idéia do que gritar. De repente num impulso gritou três vezes:
- JESUS ME SALVE...
O quarto construído no fundo do quintal estava na divisa de um terreno baldio, e ali havia chegado nessa mesma hora um senhor que desgostoso da vida, havia ido até ali para suicidar-se e quando levou o revolver até a altura da cabeça escutou muito longe aquele JESUS ME SALVE...
Lembrou-se de Jesus Cristo... jogou o revolver fora e foi procurar de onde tinha vindo aquele apelo... e chorando abraçou o autor dos gritos e agradeceu por ter-lhe salvo a vida.


Rui T. de Figueiredo

Onde está seu irmão?


Encontrei um menor na rua, sem camisa, costas nuas, sem sapatos, pés no chão sujos como a mente de tanta gente que se conforma com a situação:

- "Menino, onde está seu irmão"?

Encontrei um velho maltrapilho, sem bengala, sem o filho, sem amparo no mundo cão, perguntei-lhe de repente por que tanta gente se conforma com a situação:
- "Velho onde está seu irmão"?


Encontrei uma mãe solteira encaminhando-se para uma fileira que terminava na prostituição acomodados na triste sina conformavam-se com a situação:
- "Mãe solteira, onde está seu irmão"?


Encontrei um migrante e um patrício, chegados a pouco numa procura que não há quem não canse. Encontrei um louco, sem hospital, sem hospício. Todos sem chance, um aleijado com ofício, e um cego vendo com a mão. Perguntei sem conformar com a situação:
- "Ei, onde estão seus irmãos"???


Encontrei um sem teto E filho sem colchão, mãe sem afeto e mesa sem pão...:
- "Ei, onde estão seus irmãos???"


Encontrei um ex-prisioneiro marcado pelo erro que cometeu.
Encontrei um macumbeiro fazendo despacho para ateu.
Encontrei um excepcional sem centro de recuperação.
Encontrei um homem de quarenta vetado na profissão:
- "Ei, onde estão seus irmãos???"


- Irmãos???
- Ou pelo menos um irmão, cadê o próximo? Cadê o cristão?
Procurei e fiquei vermelho com o susto que me ocorreu...

Pois ao ver-me o espelho vi que o irmão era EU..!!!



O PERDÃO

Senhor, estou com dificuldade para perdoar aquela pessoa que tão profundamente me feriu.

Mesmo que eu relute, vejo-me tomada de ira e indignação e, em meio a estes sentimentos desarmônicos, sinto-me fora do meu eixo. Conceda-me, Senhor, o dom do perdão definitivo.
Que eu possa me lembrar que aquela pessoa, tal como eu, é imperfeita, erra e acerta, cai e se levanta, vive momentos de alegria e de tristeza.
Permita-me lembrar sobretudo, que ela é Sua criatura e portanto, digna e merecedora do meu perdão. Abrande o meu coração, Senhor!
Que eu possa verdadeiramente perdoar, para ser também merecedora do Seu perdão.
Tu és perdão infinito, Senhor!


(Fátima Irene Pinto)

2 de abr de 2010

ALMA DE MULHER - CARTÃO

DIA DO ABRAÇO - 22/05

Dr.Dráuzio Varella

Saiba como despertar o prazer de comer frutas e verduras nos filhos

Hoje em dia pais têm uma consciência maior sobre a importância de nutrientes para a saúde dos filhos do que há 30 anos e muitos deles tem adotado uma filosofia que procura alimentos naturais e sentem-se gratificados oferecendo aos seus filhos refeições sem aditivos e ‘engrossantes.’ É sempre seguro seguir as preferências dos pediatras, mas também os instintos maternos farejam o que seus filhos precisam e quais as suas necessidades e se seguidos freqüentemente nos ampliam os horizontes sem ter que seguir dogmas prescritos.

Uma boa saúde depende de hábitos alimentares sólidos que em geral se estabelecem nos primeiros anos de vida. As crianças apreendem não somente pelo que lhes é ensinado verbalmente, mas também por imitação: observam seus pais e tentam imitá-los.
A repulsa de verduras e frutas freqüentemente repete comportamentos vistos em casa, na TV ou em casas de amigos. “Se os pais comem e mostram prazer ao ingerir verduras, saladas e frutas seus filhos tentarão imitá-los. Porém, se são feitos comentários sobre estes alimentos que os descrevem como amargos, desprazeirosos, a criança captará isto rapidamente”, explica a psicóloga Maria Cristina Capobianco
O prazer deverá acompanhar as refeições, então é importante deixar as preocupações com modos para mais tarde e incentivar o prazer na refeição. Deixá-los comer com a mão, enfiar o dedo no molho para experimentar, aguçar os sentidos e nomear os alimentos como salgado, doce, azedo, amargo, etc. Preparar comidas que eles possam pegar com as mãos, nos primeiros anos estimula as atividades motoras finas. Por exemplo, pegar ervilhas com os dedos, na posição de pinça, contar quantas ervilhas comeu. Contar histórias e tradições sobre diferentes culturas e suas diversas formas de comer. Por exemplo, os orientais que comem com “palitinhos”, os árabes que consideram que “arrotar” é um sinal que denota que gostou da comida, e assim por diante.
Neste sentido, é importante que as refeições sejam momentos descontraídos, agradáveis e prazerosas. Algumas famílias adotam filosofias alimentares bastante rígidas que a pesar de estarem baseadas em princípios saudáveis, religiosos ou naturais às vezes entram em conflito com a experiência das crianças que encontram amiguinhos que comem outras coisas.
Geralmente as crianças costumam questionar aquilo que acontece em casa, isto não deve se tornar um peso. Ao contrário, é importante ressaltar a diversidade, que cada família escolhe filosofias diferentes. Explicar com exemplos, figuras as escolhas realizadas em relação aos alimentos ajuda a que as crianças compreendam melhor porque seus pais fazem do jeito deles.
Na medida em que a criança cresce e se torna mais autônoma ela questiona para se sentir “mais dona do seu nariz” e tenta fazer o oposto daquilo que lhe é pedido, ou seja adota uma postura “do contra”. Nestes casos, é importante tentar deslocar esta luta de forças para outra arena que não seja a alimentação.
“É natural que os filhos transgridam as dietas impostas pelos seus pais, e nestes momentos os pais precisam ser tolerantes e compreensivos, interpretando que esta discordância talvez tenha muito mais haver com uma necessidade de fugir do controle e de tentar se apropriar das suas vontades e desejos”, explica à psicóloga.
O ideal é deixar que os filhos descubram por si só qual dieta quer seguir, apesar disto despertar muita angustia nos pais, é recomendável não perder a calma, tentar mostrar para a criança as vantagens de uma ou outra dieta. A imposição tenaz de um regime alimentar pode causar transgressões escondidas e na medida em que a criança oculta muitos segredos dos seus pais o diálogo aberto e espontâneo pode desaparecer transitoriamente, e se continua a tensão entre os pais e os filhos em relação à comida, talvez o diálogo se interrompa por mais tempo, afirma a psicóloga.

SACHA SILVEIRA ASSESSORIA DE IMPRENSA
MTB-51.948
TEL-(11)2532 7887/ 8949 3747
E-MAIL-SACHASILVEIRA@GLOBOMAIL.COM

PIOR EMPREGO - Imagem

FALTA DE EDUCAÇÃO - Piada


No ônibus o cara reclama
com os passageiros:

- Isso é um completo absurdo!
Ninguém mais levanta pra
dar lugar aos idosos. Essa é
a educação dos jovens de
hoje em dia? Que vergonha!

A garota que está ao lado
dele pergunta:
- Por que você reclama tanto
se está sentado?

- Pois é, eu estou, mas a minha
vózinha, coitadinha... Tá em pé!



MULHER MENTIROSA - piada

Dois amigos se encontram em um bar.


- Pô, cara! Estou muito chateado.
Descobri que a minha mulher
é uma tremenda mentirosa e
deve estar me chifrando! Logo
a mim, um marido exemplar!


- Sério? Tem certeza? Por que
você acha isso? - quis saber
o outro.


- Imagina só que a safada não
apareceu em casa ontem
à noite. E quando perguntei
para ela por onde ela andou,
inventou que estava com
a irmã dela...


- E não estava?


- Claro que não! Quem passou
a noite com a irmã dela
fui eu, pô!

♥ TRATAMENTO DE MERECIMENTO ♥

Recitar ou ler o texto diariamente por pelo menos 21 dias seguidos!

Sou merecedor. Mereço tudo o que é bom.
Não uma parte, não um pouquinho, mas tudo o que é bom.
Agora me afasto de todos os pensamentos negativos, restritivos.
Liberto e deixo ir todas as minhas limitações.
Em minha mente, sou livre.
Agora me transporto para um novo espaço de consciência,
onde estou disposto a me ver de maneira diferente.
Estou decidido a criar novos pensamentos
sobre mim mesmo e minha vida.
Meu modo de pensar torna-se uma nova experiência.

Eu agora sei e afirmo que sou uno com
o Poder de Prosperidade do Universo.
Assim, prospero de inúmeras maneiras.
Está diante de mim a totalidade das possibilidades.

Mereço vida, uma boa vida.
Mereço amor, uma abundância de amor.
Mereço boa saúde.
Mereço viver com conforto e prosperar.
Mereço alegria e felicidade.
Mereço a liberdade de ser tudo o que posso ser.
Mereço mais do que isso. Mereço tudo o que é bom.
O Universo está mais do que disposto a manifestar minhas novas crenças.
Aceito essa vida abundante com alegria, prazer e gratidão, pois sou merecedor.
Eu a aceito; sei que é verdadeira.
Sou grato a Deus por todas as bênçãos que recebo.

Louise L. Hay











VIROSES - Doenças provocadas por vírus

As viroses são doenças provocadas por vírus, uma classe especial de microrganismos que parasita as células do corpo atacado, fazendo com que elas deixem suas funções habituais e passem a trabalhar formando novos vírus (no fim do processo, essas células morrem). É importante dizer que os vírus não possuem um sistema interno que possa dar conta de si mesmos e de se replicarem. Por isso, tais organismos necessitam induzir outro ser vivo a fazer isso por eles.



São várias as doenças provocadas por vírus – desde um simples resfriado até doenças que podem levar à morte, como a AIDS, a raiva e a febre Ebola, da qual recentemente houve um surto na África. As viroses têm em comum o fato de que o remédio para combatê-las, muitas vezes, é também tóxico ao organismo humano.São os glóbulos brancos, em suas diversas formas, os encarregados da defesa, quer via combate corpo a corpo, quer via produção de anticorpos – substâncias que aderem aos vírus, facilitando a eliminação destes.


Presa fácil - Os vírus têm uma atividade chamada imunossupressora: além de não permitirem que as células parasitadas cuidem de si mesmas, também provocam o enfraquecimento e até a destruição das células de defesa, facilitando a entrada de outras classes de germes. Isso é o que acontece com a AIDS, quando o sistema imunológico é quase desmantelado, e o indivíduo torna-se presa fácil de bactérias, fungos e protozoários, que normalmente não atravessariam nossas defesas. Já os vírus da gripe atacam por meio de um enfraquecimento prévio do sistema imunológico.


Diversos fatores estão relacionados ao aparecimento das viroses: estresse emocional continuado, alimentação inadequada, excesso de trabalho, escassas horas de sono, estresse climático súbito (proveniente de ter-se submetido a uma frente fria sem os devidos cuidados – abrigo e/ou alimentação adequada) e infecções repetidas.


Tratamento - As viroses são transmitidas de um ser vivo a outro – os vírus não resistem muito tempo ao ambiente externo –, por meio de secreções das vias respiratórias (como acontece com a gripe, a catapora, o sarampo e a rubéola), mãos contaminadas com secreções e excreções (é o caso da hepatite, das diarréias e das gripes, cujo contágio pode ser evitado por medidas bastante simples: lavar as mãos antes de comer, dentre outras coisas) e pelo sangue (hepatite e AIDS).


O melhor tratamento para as viroses é a prevenção do contágio e a manutenção de um sistema imunológico saudável.


Em geral, não se usam medicamentos antivirais (reservados para doenças mais graves como a AIDS). Utilizam-se apenas remédios sintomáticos e aqueles voltados para o tratamento das complicações decorrentes de uma virose, como o uso do soro no caso de diarréia e a ingestão de vitamina C. Além disso, recomendam-se uma boa alimentação e o repouso no caso de gripes. O nosso sistema imunológico se encarrega, então, de eliminar os invasores.


fonte:
http://www.ongrace.com/colunistas/colunista.php?auto=27&id_nome=vilma


Centro Hospitalar São Lucas - http://www.chsl.com.br - chsl@chsl.com.br
Desenvolvimento: Rafael da Cunha

VIROSES

Os vírus não pertencem a nenhum reino específico são estudados como um caso à parte. São parasitas intracelulares obrigatórios e somente vistos na microscopia eletrônica. Não apresentam constituição celular e sim apenas uma cápsula protéica e um ácido nucléico: o DNA ou RNA. Muitas viroses atacam vegetais e animais. Em humanos, a maioria das viroses ocorre na infância e são de cura espontânea. As principais são:



Gripe e resfriado comum - Embora causados por vírus diferentes, seus sintomas são semelhantes: coriza, obstrução nasal, tosse e espirro; a febre geralmente só aparece nos casos de gripe. Ambas as doenças são transmitidas por gotículas eliminadas pelas vias respiratórias. Recomenda-se apenas repouso, boa alimentação, ingestão de uma grande quantidade de líquidos e se necessário, anti-térmicos e descongestionantes. Se os sintomas persistirem, por mais de uma semana é necessário consultar um médico.


Sarampo, catapora, rubéola e caxumba - Estas doenças também são transmitidas por saliva, gotículas eliminadas pela tosse por exemplo, atacando geralmente crianças. O doente deve ficar de cama, em isolamento e receber boa alimentação. Deve ficar também sob orientação médica, para ser atendido prontamente no caso de infecções bacterianas. A rubéola é perigosa quando contraída por mulheres grávidas, pois o vírus pode provocar anomalias no embrião (catarata, surdo-mudez e doenças cardíacas, entre outras).


Poliomielite - Embora na maioria das pessoas essa virose cause apenas febre, mal estar, em alguns indivíduos, ela pode atacar o sistema nervoso, provocando paralisia. Uma vez instalada a doença, não há um procedimento específico para curá-la, sendo feito apenas um tratamento fisioterápico nos casos em que ocorre a paralisia, visando melhorar a condição muscular. Assim sendo, para evitar tal doença, é muito importante que os pais vacinem os seus filhos na época recomendada pelo médico.


Febre Amarela - É causada por um vírus transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, provocando febre, vômito e lesões no fígado. A profilaxia é feita através do combate ao mosquito e da vacinação.


Raiva ou hidrofilia - Essa doença, quase sempre fatal, ataca o sistema nervoso. É transmitida por animais domésticos, principalmente o cão, sendo por isso obrigatória a vacinação e o recolhimento dos animais soltos na rua. Quando uma pessoa é mordida por qualquer animal, deve lavar várias vezes o local da ferida com água e sabão e aplicar um desinfetante. Se houver suspeita que o animal está raivoso, procurar urgentemente o hospital mais próximo o soro e vacina anti-rábicos. Deve-se também exigir que o proprietário apresente o atestado de vacinação do animal.


Hepatite a Vírus - É uma inflamação do fígado que pode ser causada também por outros parasitas ou substâncias químicas. A transmissão ocorre por água e alimento contaminados, principalmente quando há falta de instalações sanitárias adequadas, por transfusões de sangue contaminados, por seringas e agulhas de injeção mal esterilizadas. A evolução costuma ser benigna, mas a presença do médico é necessária e o doente deve ficar isolado, em repouso com boa alimentação.


Dengue - Também transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. Os principais sintomas são: febre alta durante 3 dias, dores no corpo e nos olhos, cansaço e falta de apetite, podendo haver também erupções na pele semelhante ao sarampo. A dengue não tem tratamento específico, o doente deve ficar de repouso, ingerir muitos líquidos e tomar medicamentos para a dor e febre (que não contenham Ácido Acetil Salicílico). A prevenção é a mesma para a febre amarela. Quem já teve dengue, mesmo que de forma assintomática, ou é portador de doenças crônicas, como diabete, a artrite reumatóide ou o lupus, está sujeito a contrair a Dengue Hemorrágica. Ela é causada por outro vírus e começa como a dengue porém depois que a fase febril acaba, os sintomas se agravam, ocorrendo queda da pressão arterial, hemorragias na pele, intestino e gengivas, ocorre o aumento do tamanho do fígado. Caso não haja assistência médica, a doença pode levar o paciente à morte em 10% dos casos.


AIDS - A síndrome da imunodeficiência adquirida é causada pelo vírus HIV ou vírus da imunodeficiência humana, que ataca células do sistema imunológico, responsável pelo reconhecimento e combate dos agentes estranhos (bactérias, vírus, etc.) que invadem o organismo. A principal célula atacada é o linfócito T4 (ou CD4). Devido a deficiência do sistema imunológico, os aidéticos, estão sujeitos a infecções por germes chamados oportunistas, que não causam problemas à pessoas com saúde normal. Além disso, são mais propensos a desenvolver alguns tipos raros de câncer como o sarcoma de Kaposi. Essas infecções terminam por debilitar a saúde do paciente e até mesmo levá-lo a morte. Ainda não há cura ou vacina para a AIDS. Nem todas as pessoas que contraem o vírus HIV, desenvolvem a doença, ela pode aparecer de forma assintomática. Contudo, o portador assintomático pode transmitir a doença para outras pessoas através do contato por sangue, sêmen ou secreções vaginais. Isso ocorre pelo ato sexual, pela recepção de sangue contaminado, pelo uso de seringas ou agulhas contaminadas, de mãe para filho durante a vida uterina ou na hora do parto, ou ainda por transplante de órgãos. Para evitar o contágio, deve se usar a camisinha, não utilizar seringas ou agulhas não esterilizadas e, se precisar de sangue ou fatores do plasma, certifique-se que procede de bancos de sangue que fazem o teste da AIDS. O grupo de risco inclui: homossexuais, bissexuais, usuários de drogas injetáveis e pessoas que necessitam de transfusões de sangue ou fatores do plasma, como os hemofílicos.



VIROSES EMERGENTES

As viroses emergentes preocupam as autoridades sanitárias de todo o mundo. Fruto de alterações no ecossistema e dos comportamentos econômicos, sociais e culturais do homem, estas viroses surgem como importante problema de saúde pública tanto nas zonas rurais como nas zonas urbanas. O exemplo mais clássico de uma virose emergente, já hoje consolidado na humanidade, é a infecção humana pelo vírus HIV (AIDS) que atualmente atinge praticamente todos os territórios. Entre as viroses emergentes as que guardam especial preocupação são aquelas associadas com as febres hemorrágicas dado o seu caráter comumente letal e a capacidade de disseminação. A seguir são apresentadas duas viroses que causam febres hemorrágicas:

Hantaviroses - Hantaviroses são enfermidades agudas que podem se apresentar sobre as formas de Febre Hemorrágica com Síndrone Renal (HFRS) e Síndrone Pulmonar por Hantavírus (HPS), sendo a segunda a única forma encontrada nas Américas. A enfermidade não é específica de nenhum grupo étnico, se comporta de forma estacional coincidindo com a presença e o maior número de roedores portadores do vírus.


Febre Hemorrágica pelo Vírus EBOLA - O vírus EBOLA foi isolado pela primeira vez em 1976 a partir de casos humanos de uma epidemia de febre hemorrágica que ocorreu em vilas do Noroeste do Zaire, próximo ao rio Ebola. Ele é responsável por um quadro de febre hemorrágica extremamente letal, pois o vírus apresenta tropismo pelas células hepáticas e do sistema retículo-endotelial. Até o presente, 4 epidemias de febre hemorrágica produzida pelo Ebola entre seres humanos são conhecidas: as duas primeiras em 1976, no Zaire e no Oeste do Sudão, resultando em mais de 550 casos e 340 mortes, a terceira em 1979 no Sudão foi menor com 34 casos e 22 óbitos e a quarta em 1996 no Zaire.


• Agente etiológico: o vírus Ebola é um vírus RNA, da família Filoviridae e do gênero Filovirus. Este gênero possui quatro vírus que acometem o homem: o Marburg e três vírus Ebola - Ebola Zaires, Ebola Sudão e Ebola Reston. Os três vírus ebola possuem pequenas diferenças sorológicas e diferentes seqüências de bases nos seus RNAs. Este gênero pertence à ordem Mononegavirales, tendo conexão filogenética com os paramixovirus (cachumba, sarampo, parainfluenza) e rabdovirus (raiva).


• Reservatório: desconhecido até o presente.


• Modo de transmissão: as formas principais de transmissão são: seringas e agulhas reutilizadas, pessoa a pessoa através de contato íntimo com doentes graves, contato sexual e casos secundários foram observados entre profissionais de saúde e membros da família que cuidavam de doentes. Contato com indivíduos infectados mas que apresentam poucos ou nenhum sintoma, isto é, que não apresentam a forma hemorrágica, parece não resultar em transmissão. O mesmo se pode afirmar para pacientes em fase de recuperação, embora nestes casos tenha possibilidade de transmissão sexual nesta fase. Nos EUA foi observada uma epizootia entre macacos importados das Filipinas em 1989 (Ebola Reston), cujo o modo de transmissão foi por via respiratória, ocasião em que alguns tratadores dos animais foram infectados de forma assintomática.


• Período de incubação: é de 5 a 7 dias quando a transmissão foi parenteral e de 6 a 12 dias quando a transmissão foi pessoa a pessoa.


• Suscetibilidade e Imunidade: inquéritos sorológicos em homem indicam infectados em vários países da África Central e também em Madagascar. Um estudo na República Centro Africana encontrou 17,6% de infectados na região de Lobaye. Entre os homens de 21 a 40 anos, no grupo Aka Pygmi, que é um grupo caçador e coletor, esta prevalência era de 37,5% e entre os Monzombo e Mbati, que praticam agricultura de subsistência na mesma região era de 13,2%. Conclusões: grande atividade viral entre os homens, maior risco para aqueles com maior contato com a floresta, existência de formas leves da doença(se a infecção tivesse 90% de letalidade dificilmente seria encontrada prevalência de infecção alta).


• Taxa de ataque e letalidade: foi de 81% em pessoas diretamente envolvidas com cuidados de enfermagem nos pacientes hospitalizados sem os devidos cuidados universais de proteção. Foi de 21% entre as pessoas que apenas entraram em contato com pacientes sem nenhuma proteção. Nos períodos epidêmicos e de surtos a taxa de letalidade variou de 50 a 90%.


Aspectos Clínicos


O início é súbito com febre alta, calafrios, dor de cabeça, anorexia, náusea, dor abdominal, dor de garganta e prostração profunda. Em alguns casos entre o quinto e o sétimo dia de doença, aparece exantema de tronco, anunciando manifestações hemorrágicas: conjuntivite hemorrágica, úlceras sangrentas em lábios e boca, sangramento gengival, hematêmase e melena. Nas epidemias observadas, todos os casos com forma hemorrágica evoluíram para morte.


Na epidemia do Sudão 100% teve febre elevada e cefaléia intensa, 83% dor torácica, 81% diarréia, 59% vômitos, dor de garganta 63%, exantema ou descamação 52%, sangramento 71%, sendo melena 59%. Nos pacientes que morreram foi observado melena em 91% e naqueles que sobreviveram em 48%.


• Diagnóstico diferencial: sobretudo com doença meningocócica, leptospirose, malária, febre amarela, outras febres hemorrágicas, hepatites fulminantes, peste septicêmica, septicemia e febre tifóide.


• Fisiopatologia: a fase inicial de intensa viremia nos órgãos alvo, seguida de manifestações com reduzida atividade inflamatória. A síndrome hemorrágica nessa doença permanece ainda não completamente esclarecida. Observa-se no entanto, aumento da permeabilidade capilar, provavelmente induzida por disfunção da célula endotelial levando a efusões que, juntamente com as disfunções plaquetárias e plaquetopemia, ocasionam o sangramento.


• Exames inespecíficos: o leucograma revela leucopenia com linfocitopenia nas fases iniciais e leucocitose com neutrofilia nas fases avançadas. As plaquetas comumente estão diminuídas. Observa-se ainda tempo de protrombina prolongado e aumento de enzimas hepáticas. Os níveis da uréia estão aumentados. Os níveis de proteínas e potássio encontram-se baixos. Pode ocorrer proteinúria.


• Patologia: as alterações patológicas incluem hemorragias de pele, mucosas (estômago e intestinos) e vísceras. Observa-se também edema em baço, rins, linfonodos e especialmente no encéfalo.


• Isolamento viral: é feito através de cultivos e células VERO (células de rim de macaco verde africano). Recomenda-se que deva ser feito apenas em laboratórios de referência internacional, credenciados pela OMS.


• Detecção de antígenos e genoma viral: pode ser feito em tecidos formolizados através das provas de hibridização in situ e imunohistoquímica. O genoma viral pode ser feito através do PCR.


• Provas sorológicas: estão indicadas as provas MAC ELISA, imunofluorescência indireta (muitos falsos positivos) e radioimunoensaio, já que não há reatividade cruzada entre o EBOLA e o Marburg. A confirmação dessas provas, quando necessária, deve ser feita através dos testes de radioimunoprecipitação e Western blot.


Tratamento - O tratamento deve ser feito com paciente internado e em condições de isolamento. O desconhecimento da fisiopatogenia inviabiliza a adoção de qualquer tratamento padronizado. Ademais, não há disponibilidade, até o momento, de antivirais. Há tentativas em andamento. Prostaciclina apresentou ação experimental em macacos mas precisa ser ainda avaliada e a ribaviirna não apresentou nenhuma ação específica.


O plasma hiperimune já foi usado no passado e se disponível, pode ser aceitável. O mesmo se aplica ao interferon. O tratamento, portanto, fundamenta-se em medidas de sustentação, e reposição que se façam necessárias de acordo com o quadro clínico. A heparina não deve ser usada na vigência de coagulação intravascular disseminada.


Medidas de Controle


• Vacinas: não existem vacinas para o Ebola. Em revisão bibliográfica realizada encontrou-se alguns estudos russos com imunização de macacos e uso de soro específico.


• Medidas de vigilância sanitária: devem ser adotadas medidas rigorosas em portos e aeroportos de meios de transportes oriundos de regiões ou países que estiverem sofrendo epidemias ou surtos de Ebola. Na vigência de epidemias numa região, protocolos sanitários devem ser adotados no sentido do exercício de quarentenas e barreiras sanitárias lógicas e que não afetem desnecessariamente as atividades sociais e econômicas.


• Isolamento do doente: as pessoas doentes devem ser isoladas pela equipe do hospital através de um método chamado "barreira técnica", que inclui as seguintes medidas:


1) médicos e enfermeiros vestem paramentos, máscaras, luvas e proteção especial quando cuidam dos pacientes;


2) as visitas aos pacientes são restritas;


3) materiais descartáveis são removidos do quarto e queimados depois do uso;


4) todo material reutilizável é esterilizado antes da reutilização e uma vez que o vírus é facilmente destruído por desinfetantes, toda a área deve ser limpa com uma solução desinfetante.


Agente Etiológio - São designados de hantavírus os agentes etiológicos do agravo que pertencem a família Buyanviridae


Reservatórios - Os roedores, especialmente os silvestres, são os principais reservatórios dos Hantavírus e cada espécie parece ter tropismo por determinado tipo.


No roedor, a infecção pelo Hantavírus aparentemente não é letal e pode levá-lo ao estado de reservatório do vírus por toda a vida. Nesses animais, os Hantavírus são isolados principalmente nos pulmões e rins, apesar da presença de anticorpos séricos, sendo eliminados em grande quantidade na saliva, urina e fezes durante longo período, todavia, a duração e o período máximo de infectividade são desconhecidos.

* FHSR: Febre hemorrágica com síndrome renal



* SPH: Sindrome pulmonar por hantavírus


Modos de Transmissão - A infecção humana ocorre mais freqüentemente pela inalação de aerossóis formados a partir de secreções e excreções dos reservatórios(roedores) de Hantavírus. Outras formas de transmissão para a espécie humana foram também descritas:


a) ingestão de alimentos e água contaminados;


b) percutânea, por meio de escoriações cutâneas e mordeduras de roedor;


c) contato do vírus com mucosa, por exemplo, a conjuntival;


d) acidentalmente, em trabalhadores e visitantes de biotérios e laboratórios.


Mais recentemente, há evidências da possibilidade de transmissão inter-humana. Na Argentina, Cantoni e cols.(1997) verificaram durante um surto de hantavírus, na província de rio Negro, que os profissionais da área de saúde apresentaram risco maior do que o observado na população em geral. A hipótese de transmissão pessoa a pessoa em casos de síndrome pulmonar por Hantavírus descritos por Cantoni et cols(1997) direcionam a revisão das medidas de precaução e biossegurança no atendimento destes pacientes e manuseio de espécimes biológicas.


Período de Incubação - O período de incubação da doença provocada por Hantavirus varia de 12 a 16 dias com uma variação de 05 a 42 dias.


Período de Transmissibilidade - Até o momento é desconhecido


Susceptibilidade e Imunidade - Ao que parece, as pessoas sem dados sorológicos de infecção passada são uniformemente susceptíveis. Não existem relatos na literatura de reinfecção em humanos.


Distribuição, Morbidade, Mortalidade e Letalidade - A Febre Hemorrágica com Síndrome Renal (HFRS) tem a distribuição na Europa e Ásia onde na China ocorrem de 40.000 a 100.000 casos por ano. Na Coréia do Sul tem ocorrido uma média de 1.000 casos por ano. Possui uma letalidade variável com média de 5% na Ásia e um pouco maior nas Ilhas Balcãs.


A forma respiratória da doença (HPS) com grande letalidade, identificada em junho de 1993 na região sudoeste dos Estados Unidos e, posteriormente, observada em outros 21 estados daquele país levou ao isolamento de outros Hantavírus como o Sin Nombre, Black Creek Canal, Bayou e New York. Desta forma, a Síndrome Pulmonar por Hantavírus passou a ser reconhecida em outros países e possibilitou o isolamento de novas espécies.


No Brasil os 3 primeiros casos clínicos de Síndrome Pulmonar por Hantavírus foram identificados no Estado de São Paulo, no Município de Juquitiba, em 1993. Outros sete casos foram registrados: um no Estado de Mato Grosso na cidade de Castelo dos Sonhos e outros seis no estado de São Paulo, nas cidades de Araraquara e Franca, ambos em 1996; um em Tupi Paulista e um em Nova Guataporanga, dois casos em Guariba, em 1998.

A maior palavra em português

A maior palavra da língua portuguesa é pneumoultramicroscopicossilicovulcanoconiótico, que define uma pessoa acometida por uma doença pulmonar causada pela aspiração de cinzas vulcânicas, chamada pneumoultramicroscopicossilicovulcanoconiose ou pneumoconiose. O vocábulo de 46 letras ganhou seu primeiro registro no Dicionário Houaiss, considerado um dos mais completos da Língua Portuguesa, em 2001.

O segundo lugar do ranking pertence ao nome da doença cuja palavra para o portador ocupa o primeiro. A pneumoultramicroscopicossilicovulcanoconiose ou pneumoconiose - forma resumida e atual - é causada pela aspiração de microscópicas partículas de cinzas vulcânicas. Inclusive, a tal enfermagem é a maior palavra do inglês: pneumonoultramicroscopicsilicovolcanoconiosis, com 45 letras.
Anticonstitucionalissimamente, com 29 letras, é a terceira maior palavra do nosso idioma. O advérbio descreve algo que é feito contra a constituição.
O especialista em doenças dos olhos, ouvidos, nariz e garganta, oftalmotorrinolaringologista, ocupa o quarto lugar desse ranking, com 28 letras. O quinto lugar é ocupado pelo advérbio inconstitucionalissimamente, com 27 letras, que é um sinônimo de anticonstitucionalissimamente.


Fonte: Wikipedia

A história da internet

A história mais difundida sobre a criação da primeira rede de computadores conta que a internet surgiu como estratégia militar para possibilitar a sobrevivência das redes de comunicação e a segurança das informações em caso de ataque nuclear. Michael Dertouzos, ex-diretor do laboratório de ciência da computação do Massachusetts Institute of Technology (MIT) e um dos pioneiros da internet, revelou um lado mais prosaico da história: algumas das versões que circulam por aí insinuam que o gigantesco passo seguinte (a criação da Arpanet) foi dado pelos militares para reduzir a vulnerabilidade dos sites onde as informações se concentravam, embora seja apenas uma parte da história.

O sucesso dos computadores de tempo compartilhado provocou pressões financeiras cada vez maiores sobre a Advanced Research Projects Agency (Arpa), pois cada grupo de pesquisa financiado pela agência exigia mais computadores, mais caros e maiores. A Arpa procurou aumentar a eficiência dos investimentos estimulando os grupos a dividir máquinas distantes entre si. Ao mesmo tempo, os fatores técnicos apontavam para a possibilidade sensacional de conectar as máquinas.
O protótipo da Arpanet foi criado em 1969 e a primeira demonstração pública aconteceu em 1972. No princípio, a rede limitava-se a ligar algumas unidades militares e universidades. Em meados da década de 70, havia apenas 20 universidades conectadas à Arpanet. Com o tempo, várias outras redes foram surgindo e se unindo à iniciativa da agência de pesquisas do Departamento de Defesa norte-americano.
Em 1983, a Arpanet já era grande demais para atender os requisitos de eficiência e segurança dos militares. A saída foi abandonar o projeto e fundar uma rede privativa, a Milnet. Ainda nos anos 80, a National Science Foundation criou a Csnet (para a comunidade científica) e junto com a IBM, a Bitnet (para estudiosos de matérias não-científicas). A conjunção destas e de outras redes levou o nome de Arpa-Internet, mais tarde conhecida apenas como internet.
Foi somente no ano de 1990, com a queda nos preços dos equipamentos, que a Internet começou a alcançar a população em geral. Neste ano, o engenheiro inglês Tim Bernes-Lee desenvolveu a World Wide Web, possibilitando a utilização de uma interface gráfica e a criação de sites mais dinâmicos e visualmente interessantes. A partir deste momento, a Internet cresceu em ritmo acelerado.


A década de 1990 tornou-se a era de expansão da Internet. Para facilitar a navegação pela Internet, surgiram vários navegadores (browsers) como, por exemplo, o Internet Explorer da Microsoft e o Netscape Navigator.O surgimento acelerado de provedores de acesso e portais de serviços on line contribuíram para este crescimento. A Internet passou a ser utilizada por vários segmentos sociais. Os estudantes passaram a buscar informações para pesquisas escolares, enquanto jovens utilizavam para a pura diversão em sites de games. As salas de chat tornaram-se pontos de encontro para um bate-papo virtual a qualquer momento. Desempregados iniciaram a busca de empregos através de sites de agências de empregos ou enviando currículos por e-mail. As empresas descobriram na Internet um excelente caminho para melhorar seus lucros e as vendas on line dispararam, transformando a Internet em verdadeiros shopping centers virtuais.


Fonte: RNP - Rede Nacional de Ensino e Pesquisa



PÁSCOA - CARTÕES

X
X

X

X
X
X

1 de abr de 2010

PÁSCOA - CARTÃO

PÁSCOA - GIFS DIVERSOS

x
x
x
x
x
x
x
x

29 de mar de 2010

Maternidade, Carreira Gloriosa!


Uma mulher foi renovar a sua carteira de motorista... Pediram-lhe para informar qual era a sua profissão. Ela hesitou, sem saber bem como se classificar. "O que eu pergunto é se tem um trabalho", insistiu o funcionário. "Claro que tenho um trabalho", exclamou . "Sou mãe". "Nós não consideramos 'mãe' um trabalho. Vou colocar Dona de casa", disse o funcionário friamente...

Não voltei a lembrar-me desta história até o dia em que me encontrei em situação idêntica... A pessoa que me atendeu era obviamente uma funcionária de carreira, segura, eficiente, dona da situação. "Qual é a sua ocupação?" Perguntou. Não sei o que me fez dizer isto; as palavras simplesmente saltaram-me da boca para fora: "Sou Doutora em Desenvolvimento Infantil e em Relações Humanas."
A funcionária fez uma pausa, a caneta de tinta permanente a apontar para o ar, e olhou-me como quem diz que não ouviu bem. Eu repeti pausadamente, enfatizando as palavras mais significativas. Então reparei, maravilhada, como ela ia escrevendo, com tinta preta, no questionário oficial.
"Posso perguntar", disse-me ela com novo interesse, "o que faz exatamente?" Calmamente, sem qualquer traço de agitação na voz, ouvi-me responder: "Desenvolvo um programa a longo prazo (qualquer mãe faz isso), em laboratório e no campo experimental (normalmente eu teria dito dentro e fora de casa). Sou responsável por uma equipe (minha família), e já recebi quatro projetos (todas meninas).
Trabalho em regime de dedicação exclusiva (alguma mulher discorda?), o grau de exigência é em nível de 14 horas por dia (para não dizer 24 horas). Houve um crescente tom de respeito na voz da funcionária que acabou de preencher o formulário, se levantou, e pessoalmente me abriu a porta.
Quando cheguei em casa, com o título da minha carteira erguido, fui recebida pela minha equipe: uma com 13 anos, outra com 7 e outra com 3 anos. Do andar de cima, pude ouvir o meu novo experimento (um bebê de seis meses), testando uma nova tonalidade de voz. Senti-me triunfante!


Maternidade... ...que carreira gloriosa!


Assim, as avós deviam ser chamadas "Doutora-Sênior em Desenvolvimento Infantil e em Relações Humanas".
As bisavós: "Doutora - Executiva - Sênior".
E as tias: "Doutora - Assistente".


Uma homenagem carinhosa a todas as mulheres, mães, esposas, amigas, companheiras.



28 de mar de 2010

FELIZ PÁSCOA, AMIGO VIRTUAL

PÁSCOA É...

PÁSCOA É RENASCIMENTO - GIFS

PÁSCOA - GIFS

.

HISTÓRIA DA PÁSCOA

A Páscoa é uma festa cristã que celebra a ressurreição de Jesus Cristo. Depois de morrer na cruz, seu corpo foi colocado em um sepulcro, onde ali permaneceu, até sua ressurreição, quando seu espírito e seu corpo foram reunificados. É o dia santo mais importante da religião cristã, quando as pessoas vão às igrejas e participam de cerimônias religiosas.

Ainda que todos os domingos do ano sejam destinados pelas igrejas cristãs de todo o mundo à celebração da ressurreição de Cristo (o que é feito por meio da eucaristia), no domingo de Páscoa, esse acontecimento ganha destaque, já que se festeja uma espécie de aniversário da ressurreição.


A palavra "Páscoa" vem do hebraico, Pessach. A Páscoa, conhecida também como Passover, é uma das mais importantes festas judaicas, celebrado durante oito dias. Os judeus comemoram o êxodo dos israelitas do Egito durante o reinado do faraó Ramsés II, da escravidão para a liberdade. Esse é um ritual de passagem, assim como a "passagem" de Cristo, da morte para a vida.
A Páscoa é uma data móvel, que acontece anualmente entre 22 de março e 25 de abril. Como no Hemisfério Norte esse período coincide com a chegada da primavera, o Pessach também é a festa do início da colheita dos cereais e da chegada da nova estação. Ela é comemorada no primeiro domingo após a lua cheia do equinócio de março. O equinócio é o ponto da órbita da Terra em que se registra uma igual duração do dia e da noite.
Há um modo mais fácil de saber quando é o domingo de Páscoa. Basta contar 46 dias a partir da quarta-feira de cinzas. A Páscoa cristã é antecedida pela Quaresma, período que dura 40 dias entre a quarta-feira de cinzas e o domingo de Ramos, que acontece uma semana antes da Páscoa. Os católicos destinam a Quaresma para fazer penitência, como o jejum, com o objetivo de libertar as pessoas dos pecados.
De fato, para entender o significado da Páscoa cristã, é necessário voltar para a Idade Média e lembrar dos antigos povos pagãos europeus que, nesta época do ano, homenageavam Ostera, ou Esther - em inglês, Easter quer dizer Páscoa.
Ostera (ou Ostara) é a Deusa da Primavera, que segura um ovo em sua mão e observa um coelho, símbolo da fertilidade, pulando alegremente em redor de seus pés nus. A deusa e o ovo que carrega são símbolos da chegada de uma nova vida. Ostara equivale, na mitologia grega, a Persephone. Na mitologia romana, é Ceres.
Estes antigos povos pagãos comemoravam a chegada da primavera decorando ovos. O próprio costume de decorá-los para dar de presente na Páscoa surgiu na Inglaterra, no século X, durante o reinado de Eduardo I (900-924), o qual tinha o hábito de banhar ovos em ouro e ofertá-los para os seus amigos e aliados.
Pintar ovos à mão também é uma tradição que acompanha os ucranianos durante quase toda a sua história. Para eles, receber ovos pintados traz boa sorte, fertilidade, amor e fortuna. Geralmente esses ovos são de galinha, ganso ou codorna e requerem um trabalho artesanal minucioso.


Como se calcula a data da Páscoa?


A Páscoa, por definição, é comemorada no primeiro Domingo após a lua cheia que ocorre após o equinócio vernal (primeiro dia da primavera no Hemisfério Norte), e pode cair entre 22 de março e 25 de abril. As fórmulas exeistentes calculam o que se convencionou chamar de "Cálculo Eclesiático", definido pelo Concílio de Nicea no ano 325 d.C.
O Carnaval acontece 47 dias antes da Páscoa. Portanto, o Carnaval pode acontecer de 4 de fevereiro a 9 de março. Já o feriado de Corpus Christi acontece 60 dias depois da Páscoa, ou seja, entre 21 de maio a 24 de junho.


Principais símbolos da Páscoa


• OVO - Representa vida e a origem do mundo para muitas culturas


• COELHO DA PÁSCOA - Para os cristãos, o coelho significa a fertilidade


• COLOMBA PASCOAL - Paz, mas simboliza também a vinda do Espírito Santo


• CRUZ - Traduz, ao mesmo tempo, sofrimento e ressurreição


• CORDEIRO - Simboliza Jesus Cristo e representa a aliança entre Deus e o povo


• PEIXE - Indica renovação e purificação


• CÍRIO - Uma grande vela que se acende na "Aleluia" e quer dizer "Cristo, a luz dos Povos"