Seguidores

:: LINK-ME ::


5 de mar de 2011

AS CRIANÇAS DE OUTRAS GERAÇÕES



- Tais Luso

Dizem por aí que ser criança é uma maravilha!  Peraí: estão falando dos filhos e netos da Rainha-mãe, lá da Inglaterra, de filhos de magnatas e coisa do gênero? Ah sim... beleza. Entendi.

Fui uma criança normal, amada, cuidada mas, não posso dizer que tudo sempre foi maravilhoso, que não tive meus medos, minhas dúvidas e minhas inseguranças. Ninguém tem uma vida maravilhosa o tempo inteiro. É óbvio que ser criança hoje é mais complicado; as ofertas negativas  como a Internet; o sonho de tornar-se modelo/atriz - com esses infernais regimes alimentares; conhecer os amigos dos filhos; o vício das drogas... Educar é difícil. Temos de ter uma mente meio de agente investigador!

O que a minha geração  tínha de bom era uma infância real: brincadeiras no rio, na chuva, nas árvores, bonecas, bambolês, carrinhos, pé no chão, pulávamos corda e brincávamos de amarelinha - riscando as calçadas. Usávamos batom e salto alto (da mãe) para passarmos por uma linda mulher... Mas tudo brincadeira. Não havia à busca pela sensualidade e sim a vontade de sermos adultos.

Porém, o fato de ser criança - de qualquer geração - nunca foi e nunca será um mundo encantado. Criança sofre pra caramba: criança tem mil medos e uma montanha de inseguranças. Criança não vive num eterno paraíso; se assim fosse, não haveriam psicólogos e psiquiatras infantis.

A minha geração é aquela que dormia embalada por historinhas que falavam no bicho-papão, no boi-da-cara-preta, na rosa que morreu despedaçada, no 'cretino' que atirou o pau no gato, no lobo mau que comeu a 'véia'...  E bota medo nisso! E ainda levávamos uns 'para-te-quieto' pra ficarmos mais tranquilos na casa dos outros. 

Mas, crescemos, deixamos a criança adormecida,  e estamos  aqui, de vento em popa, alguns com filhos já criados, contando histórias nos  blogs, trabalhando, administrando nossos problemas e tentando melhorar alguma coisa. Ou talvez coisa nenhuma! Falando a verdade eu já esgotei a minha 'cota'. Meus filhos estão bem crescidos.

Hoje, a criança vive  grudada na saia da mãe. Rapidamente desgruda, fica rebelde e começam os atritos. Verdadeiros rolos! Principalmente nos shoppings.  Sim, porque quando criança quer... QUER!!  Aí entra uma conversinha - na base da psicologia - pra ver se substitui o conhecido 'sopapo'  por um entendimento na base do papo-cabeça. 

As crianças de hoje também vivem às turras com os irmãos, primos, colegas de escola... tudo igual, mas com um agravante: são crianças criadas dentro de apartamentos em frente a uma tela de computador - conversando sabe-se lá com quem - e dependuradas num celular. Conectadas 24 horas.

É difícil este processo atual de educar; o mundo mudou completamente. Não reconheço a infância nos dias de hoje; com 13 anos todos querem ser emancipados: baladas e namoricos é o carro-chefe.

As crianças de hoje dormem ao som de noticiosos  ou embaladas ao som de novelas - com personagens  psicóticos.  Almoçam e jantam assistindo  a programas de atrocidades, com medo de saírem à rua e com medo de ficarem em casa sozinhas. E a Internet facilitando o jogo... É aquele negócio: se ficar o bicho come, se correr o bicho pega...

A 'turminha' de hoje só conhece o mundo informatizado: os principais brinquedos são o  computador e o celular, cheio de joguinhos de guerra, coisas inúteis, sem relevância para suas mentes em desenvolvimento.

Estou convicta de que saí no 'lucro': mesmo com os medos de criança, uns para-te- quieto e alguns rolos que eu mesma armava: fazia lindos bolos de barro, com cobertura de chocolate e salpicado de granulado... E oferecia a quem quisesse dar uma provadinha... Só lembro que alguns adoravam e repetiam. O bolo acabava em dois toques com algumas xícaras de café.


E depois dizem por aí que criança não tem maldade! Tá bom... Mas esse assunto fica pra outra vez. Acredito que hoje, não se faz mais bolos como antigamente...

Geração atual


Nenhum comentário:

Postar um comentário

DEIXE O SEU COMENTÁRIO